Nosso Diretor Comercial Comprova e recomenda esse método!

Todos os gestores das mais diversas áreas, de todos os tamanhos de negócios sempre tem em mente (ou deveria ter) crescer, expandir, atualizar seus negócios, de uma simples fabrica com uma única linha de processamento até um complexo site com diversas unidades de negócios.
Nossos planos como gestor do próprio negócio ou como funcionário de alguma empresa é que nosso negócio cresça e com ele nos também cresçamos, mas, o objetivo aqui não é falar do nosso crescimento e sim do crescimento ordenado do nosso negócio.
Fazemos planejamento estratégico para 1 ano, 5 anos e até 10 anos, com relatórios prevendo aumento de margem de contribuição, overhead, analise de mercado, aumento da equipe, gastos com manutenção, investimento em melhorias, expansão e tudo mais que um bom planejamento estratégico necessita e merece ter.

Depois de tudo feito, planejamento estratégico montado aprovado, vamos começar o mais importante, executa-lo, preparar nosso negocio para crescer, atingir as metas de produção, faturamento, lucros, margens, etc… Cada responsável pela sua área unidade de negócio começa seu esforço para cumprir com sua parte do plano.

Aí é onde começam os problemas, na indústria são equipamentos instalados em um ano que terão de ser substituídos com 2 anos de uso, equipamentos com capacidade ociosa e outros com capacidade abaixo do necessário, formam se os famosos gargalos de produção, produtos processados aguardando espaço no próximo processo para poder dar sequência na fase seguinte, áreas paradas esperando desafogar a próxima etapa do processo e áreas lotadas não conseguindo dar sequência no processo, um verdadeiro caos.

Problemas que vão desde a fila na entrada do refeitório, até caminhões não conseguindo entrar na fábrica para descarregar matéria prima e ou sair da fábrica com produtos acabados, porque a portaria não está ainda dimensionada para atender a demanda, falta de área física para expandir o prédio de determinado processo, se fazendo necessário quebrar o processo em dois porque fisicamente não é possível construir ao lado da atual área, falta estacionamento para os funcionários, formam se filas para que os funcionários passem pelas catracas de acesso tanto na entrada quanto na saída.

Como aplica-lo?

Tudo isto pode ser minimizado com um plano diretor de engenharia, com definições de etapas de crescimentos um bom layout prevendo todas as expansões, todos os possíveis crescimentos desde as áreas de processo produtivo até as áreas de apoio (refeitório, escritório, balanças, estacionamento, portarias, etc.…) um layout com todas as fases determinadas com bases no planejamento estratégico, este plano diretor deveria ser desenvolvido antes de mesmo de se construir a fábrica, porém, sempre é tempo para se fazer um bom plano diretor, não necessariamente deve ser apenas feito se uma fabrica for crescer no mesmo lugar onde ela nasceu, o plano diretor pode ter como meta um novo local para uma nova fábrica, uma outra unidade de produção fisicamente longe uma da outra.

Benefícios de adotar um plano diretor

Um bom plano diretor traz ao gestor a tranquilidade de que todos os recursos serão investidos de forma correta, com objetivo, sem a preocupação de ter que desmanchar e fazer de novo, de ter que trocar equipamentos obsoletos por falta de capacidade produtiva, garante o bem estar dos funcionários quando usam o refeitórios, os banheiros, as áreas de descanso e áreas de apoio, garante espaço correto para cada base de trabalho no escritório, permiti um fluxo de processos rápido e eficiente garantindo a máxima produtividade em cada uma das etapas dos processos produtivos.

Sobre o autor:

Carlos Wilson Zanchini
Business Development & Commercial Director na PRG Engenharia, Gerenciamento e Construção

Contato: 16 99755 4194
LinkedIn